Uma visão sobre a mudança de foco da farmácia hospitalar brasileira

Authors

  • MARCELO POLACOW BISSON

Abstract

Nos últimos anos as transições demográficas e epidemiológicas impuseram novas exigências sobre
prestação de serviços de saúde. Desafios como o envelhecimento da população, a mudança nos perfis de
doenças, mudanças no panorama da área farmacêutica, geraram a necessidade da criação de novos modelos
assistenciais para responder a estas demandas. Estas mudanças causaram um impacto sobre os diferentes
setores da farmácia e na área da Farmácia Hospitalar houve a migração de um modelo que era focado nos
produtos para um modelo de serviço focado no paciente. Em alguns países, no Brasil não é diferente, a farmácia
hospitalar vem aprimorando as relações inter-profissionais com outros prestadores de cuidados de saúde.
Mudanças ocorreram não só na prestação de serviços, mas também em outras esferas. Avanços na
tecnologia, avanços científicos e os desenvolvimentos no campo da medicina têm contribuído significativamente
para uma nova maneira de cuidar do paciente. A individualização total dos tratamentos medicamentosos que
antes era um sonho passou a ser uma realidade com a introdução dos conhecimentos de farmacocinética
clínica e farmacogenética, por exemplo. A medicina baseada em evidências e a farmacoeconomia, como um
movimento, deixou de ser algo teórico e filosófico e passou a fazer parte de todos os serviços de saúde como
rotina diária causando assim impactos na padronização de rotinas e protocolos farmacoterapêuticos.
Outra mudança importante foi a maneira de encarar os diferentes níveis de atendimento a saúde,
onde hoje os pacientes são visualizados como um todo, independente do atendimento primário, secundário,
terciário ou até mesmo quaternário. O paciente que hoje está internado poderá ter alta e mudar o foco do
atendimento do nível secundário para o primário, por exemplo, e vice-versa dependendo dos cuidados
que ele recebe (ou deixa de receber). Neste contexto as ações clínicas do farmacêutico passam a permear
todas as atividades da farmácia hospitalar. Atividades como a reconciliação farmacoterapêutica, a validação
farmacêutica e a dupla checagem farmacoterapêutica passaram a ser exigidas pela alta administração de muitos
hospitais e agências acreditadoras.
Recentemente tive a oportunidade de visitar o Oeschner Center, em Nova Orleans –EUA, hospital
de cerca de 600 leitos, onde haviam 80 farmacêuticos contratados, e destes 79 desempenhavam funções
clínicas e apenas 1 função administrativas e técnicas, devido em grande parte ao direcionamento da instituição
e forte presença da tecnologia e automação que permitem esse tipo de modelo farmacêutico hospitalar.
No momento atual seria utópico pensar que todas as farmácias hospitalares poderiam passar do
enfoque meramente logístico para um modelo focado na clínica. O modelo assistencial americano e de alguns
países da Europa levaram a um novo patamar de reconhecimento e valorização profissional do farmacêutico,
refletindo inclusive na remuneração.
O patamar salarial de um farmacêutico hospitalar americano chega a 10 mil dólares mensais, e acima das
diferenças com o mercado de trabalho brasileiro, o fosso com a realidade da farmácia hospitalar brasileira pode ser
explicada com a qualificação, o direcionamento clínico das ações do farmacêutico e principalmente com a postura do
profissional. Precisamos aceitar o desafio de mudarmos nosso modo de trabalhar e começar a focar no paciente em
primeiro lugar, ao invés de se preocupar só com o medicamento. Essa visão do paciente deve estar em todas as fases
do processo, desde a seleção, aquisição até a dispensação, não importando em que etapa do processo o farmacêutico
atue. Todos são fundamentais em suas funções e precisam ter o cuidado como objetivo comum.
A atenção primária à saúde vem ganhando espaço no mundo todo, e neste contexto o trabalho das
Unidades Básicas de Saúde (UBS) do Sistema de Saúde Pública, ambulatórios e consultórios médicos privados
precisam também de uma assistência farmacêutica diferenciada. Não podemos deixar esse nível de atenção de
fora da Farmácia Hospitalar Brasileira. Há mais de 10 anos o foco do trabalho do farmacêutico hospitalar tem
mudado da visão simplista de dispensar medicamentos para o cuidado compreensivo do paciente. Separar
as atividades clínicas das demais seria como cortarmos na carne a tentativa de fortalecer a área da farmácia
hospitalar. Também é verdade que devemos desmistificar que o trabalho clínico em UBS e drogarias não teria
nada a ver com a realidade hospitalar, pois o conceito atual é que o paciente é único, seja do nível primário ou
do quaternário, dependendo apenas do momento de vida em que ele se encontra.
O grande desafio é a integração dos diferentes modelos de cuidado do paciente e deve haver
mecanismos de referência entre os diferentes níveis de cuidados para garantir a continuidade dos cuidados e

Downloads

Download data is not yet available.

Published

2019-06-06

How to Cite

1.
BISSON MP. Uma visão sobre a mudança de foco da farmácia hospitalar brasileira. Rev Bras Farm Hosp Serv Saude [Internet]. 2019Jun.6 [cited 2023Feb.8];3(3). Available from: https://rbfhss.org.br/sbrafh/article/view/135

Issue

Section

EDITORIAL